quinta-feira, 3 de julho de 2014

Ambrósio & Filha Um Pouco de História

admistração-ambrósio-e-filha-ana-ambrósio

Filho de uma professora e de um agricultor, António Ambrósio começou a trabalhar depois de ter cumprido o serviço militar obrigatório, em Moçambique. Tinha cerca de 25 anos de idade quando teve o seu primeiro emprego. Foi vendedor na Fábrica de Tintas Marilina, onde esteve oito anos e onde aprendeu muito com o seu patrão. Findo esse tempo saiu da empresa para, juntamente com quatro sócios, fundar a Fábrica de Tintas 2000, a terceira empresa a instalar-se na Zona Industrial da Maia. Com o avançar do tempo, foi comprando as quotas aos seus sócios, estando, agora, a gerir a empresa com a filha, Ana Ambrósio. Ambicioso por natureza, António Ambrósio quis sempre mais. Em criança queria que o pai tivesse mais produção de vinho, mais cabeças de gado, … Hoje continua a querer mais e mais. Assim, em Maio de 2006, comprou a empresa onde começou a trabalhar. Antes disso, havia criado a empresa Ambrósio & Filha. Actualmente o grupo, com sede na Maia e uma filial em Rebordosa, Paredes, é composto por 3 empresas, contando com 20 delegações em todos os pontos do país. E porque nem só de tintas vive o empresário, o transmontano decidiu lançar um livro. A obra, publicada recentemente, é uma compilação de 212 frases, da sua autoria, que revelam como deve ser “O Bom Profissional”. Um livro que conta ainda com alguns testemunhos de familiares e amigos do empresário, assim como com algumas fotografias que marcam momentos importantes da sua vida profissional e pessoal. E para que um profissional seja bom há valores que devem estar sempre presentes. Valores esses que caracterizam o empresário. E são eles o conhecimento, o trabalho, a disponibilidade, a honestidade, a simplicidade, o espírito de servir, o compromisso e a racionalidade. O segredo para o sucesso de um grupo, que emprega cerca de 200 pessoas, parece simples, basta “fazer aquilo de que se gosta e entregar-se apaixonadamente ao projecto”. Uma afirmação que António Ambrósio segue à risca. Ele que faz o que gosta, que trabalha muito, mas que, ainda assim tem tempo para tudo, até para a sua grande paixão: os carros. “Quanto mais trabalho, menos me canso. Ninguém se cansa muito por trabalhar muito. Quem trabalha pouco é que anda mais cansado”. E porque o Grupo 2000 é a sua vida, e não se vê a fazer mais nada, António Ambrósio não equaciona sequer abrandar o ritmo ou passar a “pasta” à filha. O empresário quer continuar a lutar, juntamente com a filha, pelo crescimento das empresas que dirige. Empresas essas que estão situadas entre as 6 maiores do país, num universo de 218 produtoras do ramo. Em 1986, a Tintas 2000 decidiu investir em vernizes e tapa-poros poliuretanos para a indústria da madeira e do mobiliário. Um investimento que veio de encontro às necessidades dos seus “velhos” clientes de Paredes e de Paços de Ferreira. Um mercado que conheceu enquanto vendedor da Marilina, e que conquistou depois enquanto empresário. António Ambrósio recorda, aliás, que há “38 anos que vendo vernizes a algumas empresas desta região”. Uma dessas empresas, de quem é amigo do proprietário, é a Móveis Viriato, com fábrica em Recarei. “Já fomos muito fortes a vender vernizes no Vale do Sousa. Hoje, as coisas não estão tão bem como gostaria, devido à concorrência dos produtos espanhóis e italianos. Queria vender três vezes mais em Paredes”. António Ambrósio acredita que esta é apenas uma fase e que daqui a algum tempo as coisas vão correr de acordo com o seu desejo. No que aos clientes de Paredes e Paços de Ferreira diz respeito, o empresário diz tratar-se de pessoas “de trabalho e sérias”. E se trabalhar com a filha é fácil, trabalhar com o pai tem mais que se lhe diga. Ana Ambrósio, 37 anos, cresceu entre as tintas. Mas foi aos 14 anos que começou a passar as férias de verão na empresa a ajudar no que fosse necessário. Assim que concluiu o curso superior de gestão dedicou-se por inteiro aos negócios criados pelo pai. Já lá vão 12 anos. “Trabalhar com o meu pai não é difícil. Temos objectivos comuns, se bem que, por vezes, temos pontos de vista diferentes. Mas temos conseguido sempre chegar a um consenso e decidir por aquilo que é melhor para a empresa”. Ainda que as tintas sejam um mundo de homens, Ana Ambrósio não se sente intimidada por ser mulher. “Tem corrido tudo bem. É claro que tenho algumas dores de cabeça, mas nada que não consiga ultrapassar. É estimulante trabalhar aqui, onde me dedico a 100 por cento à procura das melhores soluções para a situação actual”. Ana, que tem como passatempos o cinema, a fotografia e o visitar (terras, museus, …), diz-se uma pessoa curiosa e ambiciosa, tal como o progenitor. E para que a empresa continue a liderar no mercado é necessário e fundamental apostar na “inovação. Temos de ser diferentes”. Quanto à crise, de que tanto se fala, pai e filha são unânimes em dizer, que o Grupo 2000 tem sabido passar-lhe ao lado. Segundo António Ambrósio “para vencer a crise não podemos ser normais. Temos de ser anormais. Temos de ser diferentes. Aquele que teima em querer ser igual está condenado ao fracasso. A maior crise é a da mentalidade e eu tenho uma mentalidade diferente. Eu e todos os que trabalham comigo. A este propósito eu costumo dizer o seguinte: ‘O mundo mudou, e você já mudou!’ Temos de apostar na mudança e na diferença para vencer”. Refira-se, e a título de curiosidade, que em Julho deste ano, quando comparado com o mesmo mês de 2009, as vendas do grupo aumentaram significativamente. As Tintas Marilina venderam mais 38 por cento, as Tintas 2000 mais 32 por cento e a Ambrósio & Filho subiu 24 por cento. Enquanto houver paredes para pintar, fachadas para recuperar, madeiras para envernizar e estruturas metálicas para proteger da corrosão, o Grupo 2000 vai continuar a ter as melhores soluções, sempre aos melhores preços.

Fonte: www.progressodeparedes.com.pt/
Em 17/09/2010

0 comentários:

Enviar um comentário